A cúpula de especialistas mundiais em “Felicidade” reúne-se na Universidade de Miami, entre eles uma brasileira se destaca

Sandra Teschner

Da Redação

Pesquisadores, cientistas, autores, professores, coaches,  dividirão o palco em 3 dias de evento na Universidade de Miami.

Sandra Teschner

O line-up inclui de professores dos populares cursos de Harvard e Yale ao ex-CEO da Google que decidiu resolver a fórmula da felicidade, co-editores do World Happiness Report, economistas, filósofos, Yogis, artistas e profissionais dos mais diversos segmentos unindo suas expertises para um auditório lotado de pessoas em busca do tema que remete a qualquer um de nós.

Trata-se do WOHASU 2020 comandado pela CEO Karen Guggenheim, e sob a coordenação do professor PHD Dr. Sandro Formica. O World Happiness Summit acontece de 13 a 15 de março na Universidade de Miami. Do Brasil foi convidada a fazer parte da majestosa lista de palestrante a Publisher, social entrepreneur, Chief Happiness Officer e autora, Sandra Teschner. A baiana, que vive em São Paulo, foi especialmente convidada para um painel que reflete o tripé de seu trabalho na área: impacto social, uso de mídias sociais para o bem social, transformando teorias em passos práticos e passíveis de serem adotados por qualquer pessoa, independente de seu status na vida. O livro que Sandra lançará ainda em 2020 é uma seleção de ingredientes indispensáveis e totalmente acessíveis para sermos naturalmente felizes.

Sandra sempre se considerou (e foi considerada) uma pessoa feliz, quando há 5 anos a mesma viveu uma “Experiência Quase Morte”, e voltou da mesma cheia de dúvidas, angústias, estresse e decidiu estudar a felicidade. “Eu praticamente me afoguei no meu próprio sangue, sobrevivi a isso, tive um EQM com direito a luz do fim do túnel, uma experiencia extasiante! E ao retornar dela não foi gratidão que eu senti, foi pressão, estresse, tensão de pendências a resolver. Durante minha “estada” entre a vida e a morte, conheci uma paz indescritível através das pessoas e da ambientação que eu vi, e percebi que só eu não me sentia lá verdadeiramente satisfeita, em ‘flow’. E se eu, que simbolizo desde sempre a própria alegria de viver, não me sentia assim, longe disso, então eu tinha um job a fazer e fiz”.

Escritora, mergulhou intensamente na vasta literatura sobre o tema, viajou, estudou o world happiness report, fez pesquisas na Escandinávia, que frequentemente encabeçam a lista de países mais felizes, mais precisamente na Noruega. Descobriu o “hygge” dinamarquês. Graduada em alemão e turismo na Alemanha, e tendo vivido mais de uma década neste país, buscou em ambientes corporativos trabalhos significativos sobre o tema. No Brasil criou o evento Plantando Happiness, um grande projeto referencial para seu livro em construção. Durante 13 dias, 73 mil pessoas tiveram contato com o tema “happiness” tangibilizado através de espaços interativos e experiências em que o participante se conectasse com as propostas da “receita da felicidade”, sugerida pela autora e ao mesmo tempo que houvesse seu feedback. O sucesso da participação gratuita e aberta ao público trouxe relatos interessantíssimo em números expressivos.

Mas é na transformação social que sua plataforma de felicidade tem sua resposta mais expressiva. Ativista social passional, a Chief Happiness Officer lidera ações as quais se envolve com absoluta devoção, sendo as mais significativas seu trabalho com crianças multiplamente amputadas, e vítimas de doenças graves raras. Além de criar oportunidades que levam soluções práticas às suas protegidas, como próteses, (e crianças precisam frequentemente trocá-las), fisioterapias, custos diversos, amadrinha-as para a vida sendo um significativo sustentáculo para a construção de autoestima e autoconfiança. Para isso, promove campanhas, desfiles, destaca-as na comunicação de suas próprias mídias, já que é Publisher, como também expande em parcerias com os mais diversos veículos.

“Quando descobri que a ciência comprova que somente 10% das interferências externas são responsáveis pela nossa felicidade, enquanto 50% é genética e 40% dependem exclusivamente de nós , de nossa ações e atitudes, naquele momento eu soube que mudaria não só a minha vida; Seria uma geradora de agentes multiplicadores para que a conta dos felizes seja algarismos exponenciais!”

Sobre o convite para palestrar junto aos maiores especialistas mundiais, como o mestre da psicologia positiva, Martin Seligman, Mo Gawdat (Google), Dr. Tal Ben-Shahar (Harvard), Lord Richard Layard (World Happiness Report), entre outros,  Sandra dispara: “Minha maior satisfação é saber que escolhi viver num Ecossistema feliz, e não num “egossistema’; sinto-me honrada, leve e já realizada. Felizes sabem que expectativa e comparação são fontes de infelicidade. Sou grata pela oportunidade, porque gratidão não é uma hashtag vazia que se joga para o universo numa tentativa desesperada de alcançar algo com um pseudo-positivismo. Gratidão é estar consciente de tudo o que temos, conquistamos, de estar livre para enxergar com todos os sentidos os privilégios de estarmos vivos. Sem mas. Sem frases adversativas”, finaliza.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s